quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

A sociedade e o indivíduo

Émile Durkheim e Max Weber destacaram-se na história da sociologia com os seus estudos que contribuíram para a afirmação da sociologia enquanto conhecimento científico. Os estudos realizados por estes sociólogos impuseram uma questão na análise da relação entre o indivíduo e a sociedade: afinal é a sociedade que influencia o indivíduo ou o indivíduo que influencia a sociedade?

Segundo Durkheim, o indivíduo esta profundamente enraizado na sociedade sendo por isso que as suas acções são o produto dos factos sociais que envolvem o indivíduo não dependendo da sua vontade e variando ao longo do tempo dentro de uma sociedade ou de sociedade em sociedade (exterioridade, coercividade e relatividade).
Émile Durkheim

Por sua vez, Weber afirma que o indivíduo é relativamente autónomo e não um total instrumento da sociedade, “atribuímos um certo sentido às nossas acções individuais, que desencadeamos intencionalmente”. Por exemplo, no estudo do suicídio, Durkheim considera todos os casos de suicídio ocorridos como uma nova unidade que constitui um facto social e que apesar da diversidade de contextos todos são de origem social; por oposição, Weber tentaria compreender e interpretar tudo o que estaria por trás de cada caso de suicídio (história de vida).
Max Weber


O que podemos concluir em resposta à questão inicial? Nem o indivíduo é um total fruto da sociedade nem a sociedade é esculpida exclusivamente pela acção individual pois, exemplificando, as acções de Adolf Hitler fundamentam-se exclusivamente pelas suas ideias revolucionárias? Não, o seu contexto social e económico também está na sua origem. 







Sara Cunha e Tatiana Ribeiro

Sem comentários:

Enviar um comentário